1º Comunicasamba

11 11 2009

Sábado à noite, muitos amigos legais, muitos criativos loucos, muita cerveja gelada e muita música boa.

Quero ver todo mundo lá!

Dica da Carol Fernandes.

comunicasamba





Lembranças de 2008

9 11 2009

tcc

 

Semana passada, mais precisamente quarta-feira, os alunos da oitava fase de publicidade e propaganda da Estácio tiveram que entregar seus filhos, os famosos TCC’s. É um filho mesmo, consome nosso tempo, pede nossa atenção, pede prioridade, nos impede de sair, nos deixa acordados de madrugada e requer muitos cuidados.

A começar na escolha do nome, tal qual de uma criança, um nome que você goste e tenha a certeza absoluta de que não vai se arrepender mais tarde. Depois, a complicada tarefa de escolher o pai (ou a mãe), uns tem a sorte de pegar aquele pai babão e participativo, que segura na mão e ensina andar, já outros pegam aqueles que só dão o sobrenome e nada mais. E depois dessa fecundação você só quer dar o melhor pra ele, só quer saber se ele está acompanhando o desenvolvimento de acordo com os demais, se ele está crescendo bem e ficando gordinho, se está amadurecendo bem. Igual àquela tabelinha de caderneta de neném que compara a idade com as habilidades.

Mas a verdade é que mesmo fazendo tudo certo, bate o desespero de mãe adolescente. De não saber por onde começar, de ter tanta coisa pra contar e não conseguir dizer nada, de não saber se está fazendo certo ou errado, de ver seus amigos curtindo a vida e você em casa porque tem um filho pra cuidar. Aí você se encontra com o pai da criança e fala e chora e chora e fala, e ele te olha e diz: calma, tá tudo bem. Comassim? Óbvio que não tá tudo bem, não tá nada bem. Mas acredite, ele sabe o que está dizendo. E você só vai ter a certeza disso quando olhar seu filho na prateleira da biblioteca. Ou quando sair pulando após saber a nota da banca, igual alguém que eu conheço.

Exatamente há um ano, era a nossa turma que estava entregando TCC. E se por um lado tinha todo esse caos relatado ali em cima, por outro a turma se ajudou mais do que nunca. Um exemplo de trabalho em equipe. Se por um lado era chato ficar dias e noites e madrugadas fazendo esse trabalho que não tem fim, por outro nós curtíamos as noites, sábados, domingos e feriados no MSN, gtalk e e-mail. Todos online tccendo ou monografiando como diziam os respectivos Nicks.

Cada dúvida que surgia era um email que chegava. Alguém sabe como se faz sumário automático? Alguém tem aquela citação de Kotler? Alguém sabe a referência de Lakatos? Aqui o espaçamento é 1,5 ou simples? E o recuo? E a margem? Aqui vai negrito ou itálico? Alguém sabe numerar as páginas sem ficar numerada a capa também? E mais outras tantas que não me recordo. Agora coloque umas quinze respostas pra cada pergunta e em dois minutos você tem uma caixa de entrada lotada. E em dois minutos você se diverte muito com cada resposta dessa turma criativa.

Aí entregamos e comemoramos em grande estilo, no bar da tia. Depois assistimos as apresentações dos amigos e festejamos as melhores notas de TCC já vistas em uma turma de publicidade da Estácio. E hoje, falando com algumas pessoas da turma, não teve um que dissesse não sentir saudades dessa época de correria e união. Eu sinto saudades. #prontofalei.

P.S –  A prova de que TCC faz mal pra mente.

De: Kelly – Para: Pedroso

Oi Prof,
tô mandando em anexo o capitulo 4, ainda não terminei, mas eu queria que você desse uma olhada pra ver se eu estou fazendo certo,
Se posso continuar assim, ou se devo mudar alguma coisa.
Comecei falando das Ipanemas Gisele Bündchen e depois vou falar das anatômicas.
Tô mandando também o que a menina da África me mandou.
Abraço, Prof

—-
De: Pedroso – Para: Kelly

Kelly, vc mandou a campanha, não o TCC.
Abraço.

Prefiro não comentar!





Meu coração parou

5 11 2009

77064464

Ele não ligou.

Tentei de todas as maneiras.

Fiz tudo o que estava ao meu alcance.

Nada.

Achei estranho. Esperei.

Pensei que ele precisava um pouco mais de tempo pra pensar.

Nada.

Liguei. Desliguei. Desisti.

Tentei de novo.

Vamos lá, só mais uma vez.

Só hoje. Só agora. Só um pouco.

Duas horas. Meia hora. Quinze minutos que seja.

Nada.

Por favor, não me faça desanimar.

Pelo menos me dá um sinal.

Me diz o que fazer, porque eu já não sei mais.

Eu tô parada aqui na sua frente e você não faz nada.

Às vezes tenho vontade de te bater.

Às vezes você é tão lerdo que me irrita.

Às vezes você trava e eu travo também.

Mas mesmo assim eu quero que você ligue, entendeu? Ligue!

Me conecte com todas aquelas coisas absurdas, engraçadas e diferenciadas que só você me mostra.

Me leva praquele lugar de novo.

Apesar dos pesares, eu quero ficar com você.

Porque você tem coisas minhas que ninguém mais tem. Nem terá. Nunca.

Porque é meu e teu, sabe?

Nossos segredos.

Não quero que você apague tudo assim.

Preciso de você.

Liga, vai. Não custa nada.

Liga, notebook. Liga!





Respeitando os 10 mandamentos

3 11 2009

pergaminho

Não, não tô falando de religião. Mas sim, os 10 mandamentos dos futuros publicitários, algumas dicas que fazem toda a diferença no portfólio.

Os 10 mandamentos Ésse Vês (título original), foi escrito por Sab’s com pequena participação de Sergião. Preste muita atenção porque depois não adianta pedir ajuda aos santos.

I. Não criarás sombras brancas

As sombras são sempre escuras. Quando quiser destacar uma imagem escura sobre fundo escuro, recorra a outras maneiras de fazê-lo. O modo mais simples é alterando a cor do fundo, por exemplo, ou inserindo um elemento que sirva como base mais clara para a imagem que você deseja sobrepor.

II. Respeitarás a dobra da revista

Não devemos ignorar que o anúncio de página dupla possui uma dobra central. Em muitas peças, a dobra corta a imagem do produto, o título ou mesmo o logotipo do cliente.
Para não esquecer desse importante detalhe, utiliza-se sempre uma linha-guia no centro da página (local da dobra) durante a criação.

III. Não poluirás

Algumas coisas que poluem um anúncio são:
O uso de diferentes famílias tipográficas em uma só peça (escolha no máximo duas famílias de fontes para cada anúncio que você fizer – uma para o título e a segunda para demais textos);
A maneira de dispor elementos “voando” (um logo em cada cantinho da peça é um exemplo);
Elementos desnecessários ou de difícil compreensão;
Ah, e a sombra branca, lógico.

IV. Não deixarás fundo branco em logomarcas (ou logotipos)

Esse ato, na sua pasta, pode ser interpretado como um sinônimo de preguiça e falta de cuidado. Procure sempre o logo em vetor e, se não encontrar, retire o fundo branco do jpeg no Photoshop. É simples, rápido, e demonstra sua preocupação com detalhes.

V. Não escreverás errado

Alguns erros podem ser imperdoáveis pelo diretor de criação que vai analisar o seu trabalho. Para garantir um anúncio sem erros de português, é válido digitar o texto no Word. O programa verifica e aponta possíveis erros.
Se continuar na dúvida, consulte o velho e bom dicionário.

VI. Não usarás Arial

As fontes instaladas no seu computador aparecem em ordem alfabética, e a Arial começa com A.
O que isso significa? Pode ser apenas uma coincidência, mas também pode significar que você sequer procurou ou testou nenhuma outra fonte, ficou na letra A mesmo. E isso quer dizer o quê? Preguiça.
A Arial é usada preferencialmente para internet. Em impressos, você é livre para escolher fontes menos manjadas e mais originais, mesmo as clássicas.

VII. Não espelharás

Imagens espelhadas e reflexos impossíveis são vistos a todo o momento. Tome muito cuidado na hora de espelhar uma imagem, se for uma embalagem, por exemplo, o texto ficará espelhado também.
Além disso, fique atento com a perspectiva nos reflexos. Eles são traiçoeiros.

VIII. Descartarás a primeira ideia

Nada de se apaixonar logo pela primeira ideia. Ela também é traiçoeira. Desconfie dela. Uma sugestão é jogar a primeira ideia fora por um dia e criar outras. Se no dia seguinte você não ficar com vergonha da primeira ideia, é porque não viajou nada.
Por vezes, qualquer escritor se questiona: “Fui eu mesmo quem escreveu isso?”
E olha só: poucos dias após escrever o seu texto.

IX. Saberás distinguir a hora

Hora de criar, criar. Hora de julgar, julgar.
Na hora de criar, desprenda-se. Solte o que vier à telha. Extravase. Tudo é válido. Tudo é ROUGH. Combine. Construa. Reconstrua. Esqueça as regras nessa hora.
Criar julgando prova o quanto a gente ainda não entendeu o que é a arte de criar.
Já na hora de julgar, devemos ser primeiramente minuciosos quanto ao(s) paradigma(s) que a nossa mensagem possa vir a passar. Não é o que a gente acha, gosta, acredita. É o que o mercado quer ouvir da gente. Portanto, chega de machismos.
Hoje em dia as mulheres são o grande alvo de quase todas as campanhas. E um diretor de criação não vai cometer o equívoco de contratar alguém que ainda não teve a sensibilidade para sacar isso.
Respeito com a público é bom e o mundo inteiro gosta.

X. Não usarás “…” e “!!!”

Não. Não. E ponto final.

Agora, lembre-se de ler isso sempre antes de criar.





PlayList

28 10 2009

músicamusica

E se vida tem trilha sonora, eu tenho uma discografia na minha. Uma coletânea que vai de pagode a MPB. Música me faz lembrar momentos meus. Momentos com alguém, momentos sem ninguém, momentos de festas ou não. E além de somente momentos, me faz lembrar pessoas. Às vezes não tem nada a ver com a letra da música em si, mas porque alguém me disse que gosta e eu gostei também e sempre que eu ouço, lembro. Ou porque alguém me contou alguma situação com a música e acabei associando. E por aí vai.

E mesmo sabendo de tudo isso, eu nunca tinha parado pra pensar na intensidade da coisa até que uma amiga disse esses dias “acabei de escutar a tua música”, na hora eu não entendi, comecei a rir e perguntei qual era, e ela respondeu “Por onde andei do Nando Reis, sempre me lembro de ti”. Aí eu ri mais ainda, porque essa música me faz lembrar ela também. E o mais incrível é que a gente não sabia, foi pura coincidência.

Depois comecei a lembrar dessas músicas que me falam tanto, que me lembram tanto, que me traz saudade e as que não fazem mais diferença. Lembrei daquela amiga que me mandava mensagem sempre que a nossa música tocava, e isso variava entre duas e três da manhã. Daquela que depois de cantar descontroladamente do meu lado, olhou pra mim e disse “Kelly, não se assusta, mas é que eu amo Dazaranha”. Lembrei de quando pegava carona com um amigo na volta da faculdade e a gente ouvia música de emo, e esses dias comentamos das trilhas Top Caronas e deu uma vontade de fazer tudo de novo. Lembrei da amiga que voltou dos EUA e só cantava low low low do Flo Rida e do ex que mandou uma carta (sim, pelo correio) dizendo que tava ouvindo aquela música que marcou uma época boa.

Tantas épocas boas, tanta história, tantas pessoas. E no lugar do coração começo acreditar que tenho uma vitrola que pulsa aqui dentro, que não sabe apertar o pause, muito menos o stop. Toca mil vezes a mesma música só pra fixar bem na minha mente, só pra me fazer lembrar cada momento, até aqueles que não vale lembrar, até aqueles que nem teve música nenhuma. Mas teve letra, teve locução, teve o roteiro que eu escrevi e o cenário que a gente improvisou. E tem trilha sim. Eu escolhi, ouvi, cantei. Decorei cada acorde. Acorde. Discorde. Tanto faz. Mas tocou e toca todos os dias, assim como ouço e lembro todos os dias. Assim como qualquer música sempre vai me fazer lembrar alguma coisa. Alguém.

Trilha do momento.





Follow Lista de Blogueiros

26 10 2009

lista

Aviso aos navegantes: o pessoal do blog Kiwi com Queijo, teve a brilhante idéia de fazer uma lista com os blogueiros do twitter. O objetivo é facilitar o acesso e a integração do pessoal, colocando todos os blogs em um lugar só. E não deu outra, o sucesso da lista foi tanto, que foi preciso criar uma segunda. Já são mais de 300 cadastrados e muito blog legal por lá. Inclusive o Dupla em Crise.

Não acredita? Clique aqui e veja a lista.

Então, se você é blogueiro, está no twitter, não está na lista, gostaria de estar, mas não sabe como funciona. Eu, como sou uma pessoa muito legal, vou te ensinar #comofas. É só mandar um recado para o @kiwicomqueijo , e pronto!

Simples, rápido e fácil assim.

#vailá





Enfim, Primavera

21 10 2009

primavera

Hoje o dia amanheceu mais colorido, mais cheio de vida.

O céu azul, o sol brilhando, pássaros cantando a alegria de viver.

A chuva passou. A tristeza também. É hora de uma nova estação.

Novos dias, novos momentos, novas escolhas. Um novo alguém.

Lá fora o vento sopra forte e leva embora essa saudade que restou.

Aqui dentro o coração bate mais forte, mas não, não é amor!

É a primavera que chegou trazendo as flores que o inverno levou.

E as cores. E o calor. E a beleza que a gente vê.

Hoje o dia amanheceu melhor, em todos os sentidos.

Sem preocupação, sem ansiedade, sem vontade.

Sem demora, sem espera na janela.

Sem razão, sem acaso, sem caso.

Sem perguntas, sem respostas, sem palavras.

Sem querer, sem saber, sem entender.

Sem ação, sem desculpas, sem falar nada.

Sem nada.

O silêncio se encarregou de tudo. Eu apenas assisti.

E assisto.