Cai cai balão

17 11 2009

Pra quem ainda não viu, a Propague produziu um vídeo para anunciar sua mudança de endereço. Tá que o vídeo ficou pronto um mês depois da mudança, mas ficou lindo. Difícil citar uma ficha técnica quando se sabe que todos tiveram uma pequena colaboração. E, como diriam aqui na agência, parabéns a todos os envolvidos. Arrasaram, como sempre.





De mala e cuia!

9 10 2009

mudanca

É tão estranho e ao mesmo tempo tão engraçado como as coisas vão acontecendo e tudo vai se transformando. E tudo vai se encaixando. Lembro que desde criança eu passava pela praça Getúlio Vargas, mais conhecida como a “Praça do Bombeiro”, e aquela casa rosa de esquina sempre me chamou atenção. Anos depois descobri que era uma agência. Anos depois entrei na faculdade. Anos depois tive aula com o redator da agência da casa rosa.

Toda aula era uma história diferente, aquele famoso “aconteceu comigo”. Do atendimento à criação a gente viajava enquanto o professor ia contando as pérolas que presenciava diariamente na correria da agência. Cases, comerciais, making of, jingles e spots exemplificavam a teoria passada em sala. Resumindo, me apaixonei. Não, não foi pelo professor. Mas pelo o que ele fazia, como fazia, onde fazia. Por me mostrar todas as coisas que aconteciam dentro da casa rosa de esquina.

Anos depois me formei. Meses depois, por ironia do destino, olha onde eu vim parar. Bom, se isso não foi muita sorte, o “cara lá de cima” foi muito generoso comigo. Hoje a agência está em clima de mudanças, não foi fácil colocar 47 anos em caixas de papelão, mas a equipe fez um bom trabalho. O povo já tá sentindo saudades antes mesmo de deixar a casa, e o padre deve estar finalmente feliz.

Se você não sabe, reza a lenda (literalmente) que antigamente aqui era uma casa de padres e um deles se matou enforcado na escada lá de cima. Como se não bastasse, dizem que ele assombra a agência todas as noites. Eu nunca vi/ouvi nada, mas tem gente que treme só de lembrar. No embalo da lenda vieram as lembranças. Quantos profissionais já passaram por aqui, quantos começaram aqui, quantas pizzas na madrugada, quanta história pra contar. Quanta coisa pra levar.

É, ultimo dia. Mas o importante é que cheguei a tempo de passar os últimos meses da agência aqui, na casa rosa de esquina. E por mais que mude, como diria Olivetto, “o primeiro a gente nunca esquece”.